Create
Learn
Share

P2 Microbiology

rename
fofexaka's version from 2015-06-26 14:55

Summary

Please answer these questions by clicking on the question marks:

 

Question Answer
PH
4 pHs diferentes em cada placa, 3, 5, 7 e 9
inoculava 1 microrganismo por setor
Bactéria prefere pH básico; fungo prefere pH ácido.
A. niger em AN cresceu em pH 3,5 e 7, sendo maior o crescimento no 3; no AS cresceu em todos, sendo maior o crescimento no 3. Portanto, ele prefere pH ácido, e cresce melhor em AS, devido a presença do açúcar. E eles crescerem em uma faixa bem maior de pH do que os outros organismos.
E. coli: no AN e no AS cresce em pH 5, 7 e 9. O crescimento aumenta conforme aumenta o valor do pH. S. cerevisiae: no AN cresceu em pH 3 e 5, e no AS cresceu em pH 5, apenas. Prefere pH mais ácido.
PRESSÃO OSMÓTICA
Para 'bactérias' agar glicosado, com concentrações de 0, 5, 10, 15 e 25% de NaCl; microrganismos inoculados: Staphylococcus epidermidis, E. coli, Halobacterium salinarum(arqueobacteria com afinidade por NaCl, contaminante de bacalhau, rosada)
Para “fungos” agar sabourad, com concentrações de 0, 10, 20, 30 e 50% de sacarose. Microrganismos usados: S. cerevisiae, A. niger, P. chrysogenum.
* o sal e o açúcar em excesso costumam inibir ou dificultar o crescimentos dos microrganismos.
** fungos (exceto S. cerev.) foram inoculados por picada (única), de ponta cabeça, para evitar cair esporos, que formariam colônias satélite – limpar bancada depois de fazer as inoculações desses fungos. ***molhar alça na sol salina (0,85%) antes de pegar H.salinarum – seletivo e diferencial
AG: “bactérias” – incubação a 35°C: -E. coli: cresceu entre 0 e 5% de NaCl - S. epidermidis: cresceu 0 até 15% ; -H. salinarum: cresceu entre 15 e 25% – tolera e prefere maiores [NaCl] .
AS: “fungos” – incubação a 25°C: - P. chrysogenum: cresceu bastante em todas as [ ] com aspectos multicolor, cotonosos e septados em alguns. A. niger: cresceu em todas, sendo mais de 0 a 30%
-S. cerevisiae: cresceu em todas sendo maior na de 10 e 20% -
TEMPERATURAAN: bactérias -Geobacillus: cresceu em 37°C e maior em 55°C ( termófilas);
-Bacillus coagulans: cresceu em todas ,maior na de 37°C;
- Serratia: cresceu bem a 4-6, 20-25 e 37°C, só não crescendo a 55°C
-Bacteria 2: cresceu melhor a 4-6°C, mas cresceu tb em 20-25 e 37°C

AS: fungos: -A. niger: cresceu bem em 20-25 e 37°C (cresce bem em temperatura ambiente);
-S. cerevisiae: cresceu bem em 4-6, 20-25 e 37°C, e não em 55°C
-A. chrysogenum: cresceu em 4-6 e bem mais em 20-25 e 37°C (cor azul intensa) – prefere temperatura ambiente;
-Actinomiceto: não cresceu em nada. Talvez seja pq as exigências nutricionais não condizem com o meio AS.
PAPEL HIGIENICO o agar usado foi o AGAR ENDO (E. coli cresce bem). Ele é composto por peptona (10g), lactose (10g), fosfato de potassio dibasico (3,5g), agar (15g), e fucsina básica (0,5g) e sulfeto de sódio (2,5g) (os dois são responsáveis por reprimir gram+ (SELETIVO) e reagir com aldeído liberado das fermentadoras (DIFERENCIAL). FUCSINA: quando são fermentadoras de lactose, o meio fica vermelho (forma um precipitado) e verde brilhante (E. coli); quando não são fermentadoras, a colônia fica transparente. Uma placa era a placa “mãe” (pipetava 0,5 mL de suspensão de E.coli, espalhava e deixava 5 min pra fixar bem. Enrolava voltas (3, 6 ou 8) do papel higiênico na mão, passar na placa mãe, e descartar o papel em frasco com Lysoform. Passar o dedos no lado “antes” da placa; lavar bem as mãos, e passar no “depois” (ver efeito do sabão, se foi eficiente). Incubar a 37°C.papel caro: teve crescimento com 3 voltas, e nada com 6 e 8; a lavagem das mãos foi eficiente.
papel intermediário: não teve crescimento com 3, 6 e 8 (MUITO eficiente); a lavagem foi eficiente.
barato: teve crescimento com 3, 6 e 8 voltas (nada eficiente); lavagem eficiente.
CCBS: crescimento com 3, 6 e 8 voltas (nada eficiente); lavagem eficiente em 3 voltas.
papel toalha de laboratório: cresceu com 3 e 6 voltas, mas não com 8; lavagem eficiente.
jornal: não teve crescimento com 3, 6 e 8 voltas (eficiente); lavagem tb eficiente.
papel toalha cozinha: não teve crescimento com 3, 6 e 8 voltas (eficiente); lavagem tb eficiente.

*devido a espessura do papel e menor porosidade, no papel toalha de cozinha e no jornal houve retenção, impedindo o contato direto do microrganismo com as mãos.Conclusões: papel higiênico muito barato e do CCBS foram muito ineficientes.
CRISTAL VIOLETA: - 3 tubos com agar fundido (45°C) + 2 alças de microrganismo e vertia na placa em seguida. Esperar o meio solidificar. Impregnar 3 discos de papel com cristal violeta nas concentrações: 1:10.000; 1:100.000 e 1:1.000.000 e colocar nas placas; incubar a 37°CGram -possui membrana seletiva que barra o CV - e portanto, não cora
Gram + possui parede celular que nao barra o CV, o CV entra na célula e como é um corante básico é atraído pelos ácidos nucléicos que por sua vez são prejudicados e perdem a capacidade de replicação. Assim, a célula não pode mais se reproduzir e sua maquinaria metabólica colapsa
AGENTES QUIMICOS (foi usado E coli): testava vários agentes. O meio usado era CLPB: caldo lactosado purpura. Eram 5 tubos: 1 controle; e 4 que vc inoculava a bactéria depois de tantos minutos expostas ao agente químico. Então era tempo 0 (controle), depois de 5, 10, 15 e 30 min.
tubo ficava turvo e amarelo – houve crescimento e produção de ácido (que deixou amarelo) = se cresceu, o agente não foi eficiente após aquele tempo de exposição; tubo límpido, roxo e sem gás é porque não houve reação, então não cresceu o organismo e o agente foi eficiente.
-Fenol 10% e 0,5%, álcool 70%, água oxigenada 3%, iodo, água sanitária, e lisoform bruto: não cresceu a partir de 5 min = foi muito eficiente. - vinagre: cresceu após 5 e 10 min de exposição, sendo eficiente a partir de 15, não havendo mais crescimento – demora mais tempo para agir. - lisoform 10%: cresceu até 15 minutos, só sendo eficiente em 30 min de exposição.
CALOR BANHO MARIA banho maria (80°C):E coli: só cresceu a 0 min, não resistindo a nenhum tempo de exposição . E. coli resiste no máximo ate 45°C - (temperatura ótima é a do intestino) E coli não é esporulante.
Bacillus sp: resistiu a todas as temperaturas; ele é esporulante, as células vegetativas morrem e os esporos sobrevivem.
ESTUFA E AUTOCLAVE
Tubo de ensaio com tira numerada; as tiras foram embebidas com suspensões determinadas de microrganismos, em diferentes diluições; e depois cobertas com CN estéril e levadas para incubar. Tubos de 1 a 12. Ímpares: Geobacillus (termófilo); pares: Bacillus cereus. Tubo 1 a 6 foi pra autoclave (121°C a 10 minutos); tubo 7 a 12 foi pra estufa (acho q são 160°C a 60 minutos).
Geobacilus resistiu somente na autoclave. Ele resiste a 121°C por 10 minutos, porque é termófilo, mas não resistiria por 15 minutos. B. cereus não resistiu a nenhum dos meios = os dois meios foram eficientes para matar.
EFEITO DA RADIAÇÃO UV: 5 – EFEITO DA RADIAÇÃO UV: Com cotonete especial, foi inoculada Serratia por toda placa com AN, espalhando nela completamente (pra cada uma das 4 placas). As placas foram expostas a luz UV. A: controle (não expos a luz UV); B: expos por 1 minuto, C expos por 5 minutos a luz UV (B e C ficaram abertas, com um papelão com uma letra vazada sobre elas (não encosta no agar, fica apoiado em cima)); D expos por 5 minutos, mas ficou tampado. Incubadas a 25-30°C.Os raios UV excitam os elétrons e afetam os compostos celulares, dímeros de pirimidinas (T e C) são formados no Dna inibindo ou alternado a replicação, que pode levar a mutações ou a morte. A tampa não foi capaz de barrar eficientemente os raios, apenas o papel foi.
HIDROLISE DE POLISSACARIDEOS, PROTEINA E LIPIDEO: - Agar amido (polissacarídeo): Bacillus coagulans, Pseudomonas aeruginosa, e E coli. - Agar Tributino (lipídeo) e Agar Leite (proteína): P. aeruginosa, E coli e Bacillus megaterium. - Estrias bem finas e incuba e 35-37°C.-no ágar amido (polissacarídeo): E. coli
-No Agar Tributino (lipídeo): Pseudomonas
-No Agar Leite (proteína caseína): Pseudomonas cresceu muito. E E. coli cresceu pouco .
- Bacillus não cresce em nada.
2 – DIFERENCIAÇÃO DE E coli E Enterobacter PELO USO DO MALONATO: Caldo malonato – inoculada 1 alça pequena em cada tubo. Incubou a 35-37°C. Quando cresce, alcaliniza o meio, devido ao uso do malonato, ficando azul.Enterobacter cresce, ficando azul, e E coli não cresce (ela não consome).
PRODUÇÃO DE H2S E FERMENTAÇÃO DE CARBOIDRATOS: Agar Kligler, inclinado; ele tem extrato de carne e de levedura, peptona, DSI (2 açucares, glicose e lactose, não tem sacarose), e vermelho fenol (indicador de meio) e citrato de ferro (reage com H2S e deixa preto, pq forma sulfeto férrico): 3 tubos. Inocula com picada e estria na base inclinada, em sequencia. Incuba a 35-37°C. O tubo fica vermelho ou amarelo (ácido), indicando o pH. Testa qual produz H2S e qual consome carboidrato.Amarelo/Amarelo = ácido/ácido = Fermentadoras de glicose e lactose, em 24h a lactose ainda nao foi completamente catabolizada, presente em grande qtd. Pode haver formacao de bolhas devido aos gases CO2 e H. E. COLI

Vermelho/ Amarelo= básico/ácido = fermentação aeróbia da glicose e posterior catabolismo de peptona no ápice, e na base degradação anaeróbica da glicose em 24h, oxigenação baixa a reação ocorre mais lentamente. Não fermentadoras de lactose. SERRATIA MARCENCES

Vermelho/Vermelho = meio alcalino, apenas catabolismo de peptona, aeróbica ou anaeróbicamente => PSEUDOMONAS

Amarelo/Preto/ Vermelho = fermentação aeróbia da glicose e posterior catabolismo de peptona no ápice, e na base degradação anaeróbica da glicose em 24h, oxigenação baixa a reação ocorre mais lentamente. Com produção de sulfeto de hidrogenio (H2S). PROTEUS VULGARIS
4 – PRODUÇÃO DE H2S – PAPEL DE FILTRO IMPREGNADO: O papel era impregnado com acetato de chumbo; quando há produção de H2S, ele e o acetato reagem e deixam a fita escurecida (preta). Foram inoculados 2 organimos: Proteus vulgaris e E. coli. incubados a 35-37°C.E.coli nao produz H2S
Proteus produz H2S

ACETATO DE CHUMBO + SULFETO DE HIDORGENIO = SULFETO FERROSO(precipitado preto)
5- LIQUEFAÇÃO DA GELATINA: Inoculo por picada. Gelatina nutritiva, 1 tubo para cada organismo.Serratia Marcescens utiliza colágeno
6 – ANTIBIOGRAMA: 1 bacteria gram + e 1 gram- por equipe. 2 placas, 1 pra cada bactéria. Divide em 3 setores, e faz inoculação com cotonete em cada setor (em forma de S, de fora pra dentro). Coloca 1 antibiotico (determinado) em cada setor. Incuba a 37°C. Streptomicina, AMPcilina e Norfloxacina.para E coli os 3 produziram halo de inibição;
para M luteus o Norfloxaxina não produziu
memorize